17 janeiro 2009

raiz...

Desfolhei cada pétala do teu corpo
cada dobra, cada sulco
e nele assim desabrochei
Na seda dos teus beijos
flor me tornei
de caule forte, assomando a tua raiz
e assim fiquei…flor
sombreada na tua languidez
onde alucinado me levaste à insânia.
E eu….
flor nascida do teu amor
enterneci na terra que me plantaste
Estirpe do teu corpo
Queria eu ser sempre assim
Flor de lis, miosótis ou jasmim
para perpetuar no teu canteiro
a brisa de mim.
E quando, a terra que és em corpo
sedenta ficasse…
eu buscaria a mais diminuta gota
do meu caule
para num êxtase de sofreguidão
Perdurarmos juntos
Eu, flor nascida de ti
E tu, a terra que me alimenta!

9 comentários:

MPereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA AMIGA, BELÍSSIMAS PALAVRAS NO TEU BELO POEMA... CAMINHANDO E SEMEANDO 0O AMOR... UM GRANDE ABRAÇO DXE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

tossan disse...

Um canteiro de sedução êxtase. Poesia maravilhosa! Bj

pin gente disse...

muito bonito


beijo

mundo azul disse...

________________________________


Belo poema!

Gostei dos seus versos...


Beijos de luz e o meu carinho!!!

_________________________________

paradoXos disse...

sensualidade pura e fina!
exemplar como deve sewr um bom poema!
teu beijo, admirador!

Ana Martins disse...

Lindo e com sentimento!

Beijinhos

Eduardo Aleixo disse...

Escreveste um lindo poema de amor. Não tenho mais palavras. Obrigado.
Um beijinho e parabens.
Eduardo

Xana disse...

usei esta mesma imagem para um poema meu, mas o titulo era erva daninha :)
gostei muito