17 dezembro 2008

folhas...

(van gohg)

Solta de nada no velho banco
Despido, corroído de intempéries e desgosto
Solitário…faz-me companhia
Aconchega-me entre o verde dos seus braços
E o silêncio de que padece
a solidão transparece
Silencio que saltita em folhas secas
cor de fogo, vindas de um lado qualquer
Rabisco pensamentos…
Que se enleiam nas folhas
E gozam na aragem fria
o prazer do vento em fugazes carícias
naquele banco…
Resigno-me ao deleite
De rabiscar pensamentos,
De balancear o estar e o querer
Sentada, com as folhas secas
Perdidas no meu colo
Rabisco a vida!

4 comentários:

O Profeta disse...

Sabia apenas que era um pequenino naquela longa noite
No celeste um luminoso sorriso me chamava
Lançou-me aos olhos raios de deslumbrante luz
Era a minha prenda, uma brilhante…Estrela Alva…
Um Mágico Natal para ti querida amiga que ao longo deste ano me visitaste. Que a Estrela Alva te ilumine neste Natal.
Mágico beijo

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá minha querida Amiga, belíssimo poema... Delicioso!... ADOREI!...
Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Mário Margaride disse...

Olá!

Obrigado, pela visita, e pelo comenntário.

Como as folhas que caiem, e esvoaçam ao vento, também o nosso coração, muitas vezes esvoaça, e cai no chão...

Beijinhos

Mário

manulomelino disse...

Com tempo agreste? Seja!
76 poemas são... caricias
Lugar do olhar que se beija
por todo o lado são delícias

Beijos