10 janeiro 2012

desperta(r)




Nem tanto o alvor da voz
Nem o timbre melodioso
Dos gemidos
Nem eu vencida
Se escrivã das letras
Que compõem a vontade
Duradoura
De ser luar em cada momento
Que me inventas lua
Contudo…perdida!




(tela Odette Itah)

4 comentários:

Rafael Castellar das Neves disse...

Acho que isso é um pré-requisito daqueles que são sensíveis ao que se passa ao seu próprio redor...

Muito bom, Ausenda!

[]s

mariam disse...

Lindo! [sempre]

beijinhos e bom fim-de-semana :)
mariam

poetaeusou . . . disse...

*
despertas palavras,
as tuas !
,
conchinhas de letras,
ficam,
*

Nilson Barcelli disse...

Magnífico poema. Gostei muito.
Devias escrever mais vezes...
Ausenda, minha querida amiga, tem um bom resto de semana.
Beijo.