17 janeiro 2010

trazia

Trazia braçados de ternura

e palavras despidas

para te pousar no colo


Queria enroscar-me no teu corpo

fazer desse instante

outra vez a nossa loucura


Trazia rasgos de vontade madura

e na boca a razão de um poema

para escrever com os teus dedos


Mas nas minhas mãos

foi um tempo ausente que restou


e, nos meus olhos...rasos

eram lágrimas que eu trazia...!
(imagem: Lucia M. Russo)

21 comentários:

A.S. disse...

Querida Ausenda

Atravessaste rios
de margens amordaçadas
com a esperança nos lábios
e ternura
na luz dos caminhos...
As lágrimas que trazias,
caindo das paredes de ti,
são agora um novo perfume!
Vontade de amar!
O desejo implacável de olhar o além!
Ainda que tenhas de atravessar
pontes interditas!


Beijos...
AL

Breizh da Viken disse...

Lindo...
A saudade... as lágrimas que caem quando o coração se lembra do cheiro do corpo! Dos fragmentos de tempo passados com ooutro Ser.

adorei

beijo grande

Maria disse...

Sempre as ausências que nos transformam em rios... é um poema belíssimo, embora triste...

Um beijo

gabriela r martins disse...

... enquanto os rios correm para o mar a tristeza cobre as suas saudosas margens




.
um beijo

Sonhadora disse...

Minha querida
Lindissimo poema.

Mas nas minhas mãos
foi um tempo ausente que restou
e, nos meus olhos...rasos
eram lágrimas que eu trazia...!

Muito belo.

Beijinhos
Sonhadora

Chris disse...

"Um tempo ausente que restou" - estranha é a ausência do reencontro com a poesia.
Um abraço
Chris

Céci disse...

Olá Amiga Ausenda,

E com esse "trazer" trouxestes um poema lindo e cheio de saudade!

Bjinhos

Céci

Maria Valadas disse...

Ausenda,

Uma delícia ler-te... mesmo nos versos tristes, encontra-se muita beleza.

Um tempo muito agreste este nas tuas palavras.. mas virá o tempo da abundância na alegria do sentir.

Resto de boa semana.

Beijos.

Maria

© Piedade Araújo Sol disse...

A.

eu gosto muito da poesia que escreves.

este poema embora triste é belissimo na maneira como consegues transmitir os sentires.

parabéns e obrigada!

um beij

Graça disse...

Apesar das lágrimas, o poema é belíssimo. Adorei esta estrofe: "Trazia rasgos de vontade madura
e na boca a razão de um poema
para escrever com os teus dedos".

Um beijo, Ausenda.

Nilson Barcelli disse...

O poema começa de maneira sublime.
E continua muito bom até ao fim.
Gostei imenso, querida amiga.
Bom fim de semana, beijos.

duarte disse...

que as lágrimas sementes, reguem verdes musas... pois nas mãos de quem as usa, sabem a quem as sente...
abraço do vale

Virgínia do Carmo disse...

Muito doído, e muito belo...

beijinho terno!

poetaeusou . . . disse...

*
lindo poema,
,
do meu olhar
saía vida
feita ternura despida
nas ondas que traziam mar .
,
conchinhas,
,
*

São disse...

A desilusão é sempre companheira de pessoas sensíveis como tu, sabes?
Boa semana.

Nilson Barcelli disse...

Achei o teu poema fabuloso, apesar das lágrimas... o final é muito bom.
Gostei imenso, querida amiga.
Beijos.

Eduardo Aleixo disse...

É um poema de moura triste, mas lindíssimo.Um beijo

mariam disse...

Ausenda,

tanto as sensações d'amor, alegria extrema, quanto as de desespero ou de tristeza, mesmo que fugazes, trazem à flor da alma toda a sensibilidade e criatividade, dando fruto... poemas belíssimos, como este e outros tantos que já 'te' li.

parabéns! obrigada, p'la partilha.

beijinhos
um sorriso :)
mariam

A.S. disse...

Ausenda!

Vim reler-te, rever-te e deixar um beijo de saudade!

AL

São disse...

Espero que tudo esteja bem contigo e com os teus,

Bom fim de semana.

. intemporal . disse...

.

. bel.íssimo ausenda,,, .

. como um rio, entre.margens nas quais me encontro .

. um beijo meu .

. um bom fim de semana .

.

. paulo .

.