03 outubro 2008

incondicionalmente...











Mesmo que um dia o céu caia
e o infinito for chama branda que desmaia
ouvirei o teu sussurro no meu ouvido
como de lobo, ouvisse o feroz latido
E no pranto que se esgotar no rio
na lama incrédula de um esteiro esguio
farei nascer nenúfares, que serão ponte
tanto importa se for longe o príncipio do horizonte
Mesmo que o sol se afunde no oceano
e as sereias se ajoelhem de dor a um deus profano
sentirei como meus, os recifes de ciume à deriva
e farei de ti, corrente faminta de maré viva
Ouço a tua voz...
Sinto-te...
Faço-te...!

1 comentário:

Lena disse...

Passei visitar teu blog
gostei bastante
tua poesia é linda
Ah ! se eu soubesse assim escrever !

beijinhos